Ocorreu um erro neste gadget

13/04/2014

Agroindústria Comunitária - Associação das Mulheres do Rio Vermelho

Publicada em 21/03/2014 às 16:25

Agroindústria Comunitária
Em Niquelândia, 80% dos produtos vegetais da alimentação básica que circulam no mercado local provêm de centrais de abastecimento de Goiânia e de Anápolis. A produção do município e de seu entorno praticamente não é comercializada internamente por não atender aos requisitos de qualidade e regularidade.
O projeto Agroindústria Comunitária está mudando este cenário por meio do estímulo ao associativismo e empreendedorismo das participantes da Associação das Mulheres do Rio Vermelho (AMURV). A proposta se centra na estruturação de uma agroindústria coletiva, para fornecimento de vegetais (cenoura, repolho, milho, jiló, tomate) e produtos beneficiados (polpa de frutas, geleias, conservas) ao mercado local e regional.
http://www.programaredes.org.br/wp-content/uploads/2012/11/IMG_13341.jpghttp://www.programaredes.org.br/wp-content/uploads/2012/11/IMG_1387.jpg
aio-X
  • Município: Niquelândia
  • Organização executora:Associação das Mulheres do Rio Vermelho
  • Linha de ação: Abastecimento alimentar
  • Objetivo geral: Desenvolver a capacidade empreendedora de mulheres associadas à AMURV, estruturando um mercado local de produtos vegetais da alimentação básica
  • Beneficiados: 36 pessoas
http://www.programaredes.org.br/wp-content/uploads/2012/11/IMG_1392.jpghttp://www.programaredes.org.br/wp-content/uploads/2012/11/IMG_1411.jpghttp://www.programaredes.org.br/territorios/goiano/niquelandia/agroindustria-comunitaria/

Acaba de chegar na associação um caminhão, adquirido com os recursos do ReDes.


Com a chegada do caminhão e o aumento da produção, a proposta é ampliar cada vez mais as vendas, atendendo também as cidades vizinhas.

Na região de Niquelândia, no estado de Goiás, a Associação das Mulheres do Rio Vermelho (AMURV) – http://www.amurv.blogspot.com.br/ – deu um salto após a chegada do ReDes na região e prova, a cada dia, a importância de fortalecer as experiências de agricultura familiar locais.
Atualmente, as 31 associadas trabalham na produção agrícola de três hortas comunitárias. Para esse trabalho, contam com o apoio de um agrônomo local, que orienta as produtoras em questões técnicas. No local, elas plantam milho, abóbora, pepino, pimentão, berinjela, cenoura, beterraba, alface, entre outras verduras e legumes. A produção está sendo direcionada para o PNAE e PAA, principalmente. Além disso, os produtos são comercializados semanalmente na feira da cidade.
http://www.programaredes.org.br/wp-content/uploads/2014/02/Amurv.jpg
Neste ano, as produtoras estão ainda mais animadas, pois acaba de chegar na associação um caminhão, adquirido com os recursos do ReDes. Segundo a presidente Elza Gonçalves de Oliveira Santosa alegria foi tanta que resolveram fazer uma grande festa, com direito a passeata com o caminhão pela cidade.
“É o que a gente mais precisava. Sem este transporte, dependíamos de frete e até de carona. Com isso, muitas vezes os produtos estragavam no caminho ou chegavam atrasados ao destino. Sem falar nos gastos. A cada embalagem, por exemplo, a gente pagava R$5,00. Em uma única viagem, chegávamos a gastar mais de R$150,00. Ou seja, era um dinheiro que poderia ficar para nós. Estamos muito satisfeitas”, conta Elza.
A próxima etapa será a construção da central para beneficiamento dos produtos. A obra terá início ainda este mês e a previsão é que seja inaugurada em maio. No novo espaço, que terá cerca de 105 m2, as produtoras farão a fabricação de polpas de frutas da região, como caju, manga e melancia, assim como fabricação de barras de cereais. Além disso, aproveitarão a experiência anterior para produzir doces cristalizados e em caldas. Para isso, as produtoras participaram de diversos cursos oferecidos em parceria com o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) sobre manuseio e boas práticas em beneficiamento de alimentos.
O objetivo é que a produção, antes artesanal, ganhe escala de mercado. Com o apoio do programa, elas terão de buscar agora as licenças necessárias para a operação da nova fábrica.

http://www.programaredes.org.br/onu-declara-2014-como-ano-internacional-da-agricultura-familiar/

Cresce a participação de mulheres em empreendimentos agropecuários

Publicada em 25/09/2013 às 14:52
Cresce a participação de mulheres em empreendimentos agropecuários
Lançada no último mês, a Nota de Política sobre as Mulheres Rurais da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) aponta crescimento do percentual de mulheres responsáveis por atividades agropecuárias na América Latina e Caribe. No Brasil, os dados mostram que 13% dos agricultores são mulheres.
O processo de feminização do campo encorpa um fenômeno que já foi observado no meio urbano: as mulheres estão, cada vez mais, conquistando autonomia econômica, reconfigurando o cenário do mundo do trabalho. Por consequência, a partir do incremento da renda familiar, percebe-se melhorias nas condições de bem-estar social dos agrupamentos familiares.
Apesar dos dados indicarem avanços no que tange à distribuição do trabalho entre homens e mulheres, o estudo destaca desigualdades na garantia de direitos e acesso a recursos. Em geral, de acordo com a FAO, as trabalhadoras rurais têm mais dificuldade em obter assistência técnica, capacitação e acesso a crédito. Nesse sentido, a ONU recomenda aos programas de extensão rural oferta de tratamento diferenciado em termos de gênero, especialmente nas políticas dirigidas à agricultura familiar.
Recorte brasileiro
Não há dúvidas do quanto a agropecuária significa em termos econômicos para o desenvolvimento do Brasil. Fazendo um recorte apenas para os negócios ligados à agricultura familiar, os números impressionam. Dados do IBGE mostram que empreendimentos nesse segmento representam cerca de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) agrícola, 85% dos estabelecimentos agropecuários e quase 77% dos postos de trabalho na agricultura.
Apesar da representatividade do setor para a economia brasileira, poucos estudos se debruçam sobre a presença das mulheres no trabalho rural e a importância de sua atuação para a garantia da produção. O que se sabe é que muitas trabalhadoras ainda atuam sem qualquer remuneração ou valorização profissional e conjugam o ofício com as atividades do lar.
Em contraste a essa realidade, alguns grupos produtivos formados apenas por mulheres apontam uma mudança no cenário. Governos, organismos internacionais e investidores sociais, atentos ao movimento, têm direcionado esforços para a inclusão socioprodutiva feminina e empoderamento das trabalhadoras, no campo e na cidade.
No Programa ReDes, são vários os casos de associações e cooperativas, lideradas por mulheres, que estão executando projetos em prol do desenvolvimento local. Na região de Niquelândia, no estado de Goiás, a Associação das Mulheres do Rio Vermelho (AMURV) é um exemplo.
O grupo, constituído por 36 associadas, nasceu em 1999, inspirado pela experiência de outra iniciativa, a Associação de Produtores Rurais Junto ao INCRA – Arvin, formada apenas por homens.
“Observando o trabalho do meu marido e dos outros associados, percebi que havia oportunidades ainda não exploradas. Como eles trabalhavam principalmente com milho e arroz, surgiu a ideia de criarmos uma outra associação para atuar com poupas de frutas e doces”, explica Diana Maria Rodrigues Gebrim. Ali surgia então a AMURV.
Hoje, no papel de tesoureira da organização, Diana observa a transformação das empreendedoras. “Muitas mulheres não tinham renda e dependiam completamente de seus maridos. Com a associação, elas viram uma oportunidade de remuneração. Muitas estão aprendendo uma profissão. Vejo também mudanças no campo pessoal. Estão mais valorizadas. Agora, elas garantem o complemento da renda da casa.”
Diana salienta uma característica do grupo que tem feito a diferença no trabalho. “As mulheres acabam incluindo mais. Somos um grupo aberto a sugestões. A participação da família é muito grande. Todos ajudam nas decisões.”
Para a associada, o apoio no início foi fundamental. “Com o suporte do Programa ReDes estamos crescendo. Foi com ele que percebemos que só com poupa de frutas e doces o negócio não ia crescer. Agora atuamos também com verduras. Conseguimos entender melhor o mercado.  Nosso sonho é ver a nova sede construída. Trabalhamos em um galpão improvisado, mas isso já vai mudar. Os recursos estão chegando e vamos ficar ainda mais fortes.”
Apesar de estarem apenas no início de um longo percurso, Diana já celebra alguns resultados. “Conquistamos muito mais do que um trabalho. Conquistamos o respeito e a admiração de nossos maridos e de nossas famílias. Isso é uma grande vitória.”
Fonte: http://www.programaredes.org.br/cresce-a-participacao-de-mulheres-em-empreendimentos-agropecuarios/