Ocorreu um erro neste gadget

28/03/2012

Programa ReDes e AMURV

A AMURV enviou ao Programa ReDes criado pelo Instituto Votorantim e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, que tem por objetivo implementar projetos de geração de trabalho e renda, por meio do fomento de cadeias produtivas e qualificação profissional um projeto tem como objetivo geral é melhorar a qualidade de vida, capacidade associativista e empreendedora de 40 mulheres associadas à AMURV, inserindo-as no mercado de produção e comercialização agroindustrial, beneficiando outras 110 famílias envolvidas na cadeia de fornecimento de vegetais. Objetivo específico é a geração de renda para 140 famílias do Assentamento Rio Vermelho e imediações, tendo como núcleo as associadas da AMURV, mediante: 


1. Estruturação da unidade agroindustrial (instalações e equipamentos) para produtos vegetais minimamente processados, polpas e doces; 
2. Definição e aprimoramento dos processos operacionais (produção, beneficiamento, comercialização e logística); 
3. Estruturação das bases gerenciais do negócio, com foco na gestão coletiva eficiente e sustentável; 
4. Estruturação das bases comerciais do negócio;
5. Irradiação de boas práticas e multiplicação da experiência.
O projeto tem como estratégia a implantação de duas linhas de processamento de produtos vegetais: uma de processamento mínimo (limpeza, sanificação, seleção, embalagem) e outra de beneficiamento (polpas e doces).
O projeto foi elaborado durante meses pela consultoria terceirizada pelo programa REDES (VOTORANTIM) a Sustainability Lab pelos consultores Fausto Amadigi, James Allen, que foram extremamente envolvidos e pela equipe do projeto INCRA SEBRAE atuante em Niquelândia-Goias representadas pelos consultores Lívia Pelá Corrêa, Ismael Almeida e Carlos Maia.
Sendo aprovado nosso projeto os impactos sociais e econômicos desejados serão na geração de renda mensal estável de um salário mínimo para 40 mulheres associadas à AMURV ao final de cinco anos de projeto. - Indiretamente vinculados, como fornecedores de vegetais in natura para a agroindústria, proporcionar renda para 110 famílias do Assentamento Rio Vermelho e vizinhos (Salto para o Futuro, Jose Marti, Aranha e Julião Ribeiro). Quanto aos impactos sociais, o mais evidente diz respeito à educação e formação profissional de 40 mulheres associadas, bem como desenvolvimento técnico-agrícola das demais 100 famílias de fornecedores. Vale destacar que este é um público predominantemente semi-alfabetizado, com baixíssima formação escolar (ensino fundamental incompleto).

Nossa associação está na torcida para que nosso projeto seja contenplando para gerarmos trabalho e renda as mulheres do campo de Niquelândia Goías.


Informações: http://www.programaredes.org.br/programa/o-que-e/

Crédito Apoio Mulher vai incentivar participação feminina na produção dos assentamentos

Com o mote Mulher tem crédito no Incra Goiás, a autarquia lança amanhã uma campanha para a contratação do crédito Apoio Mulher. Ao todo, o Incra espera repassar 6 milhões de reais para as assentadas, em 2012. O Apoio Mulher só pode ser contratado por assentadas e tem de ser investido coletivamente no desenvolvimento de atividades econômicas nos assentamentos.
Para alavancar o desenvolvimento econômico das assentadas da reforma agrária, a Superintendência Regional do Incra em Goiás lança nesta quinta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, a campanha Mulher tem Crédito no Incra Goiás. A intenção da campanha é divulgar essa linha de crédito exclusiva e incentivar sua contratação por grupos de trabalhadoras rurais assentadas em todo o estado de Goiás.
O superintendente regional Jorge Tadeu Jatobá informa que este ano destinará R$ 6 milhões para implantar projetos apresentados ao Incra exclusivamente por trabalhadoras rurais. O recurso vem por meio do Crédito Instalação, na modalidade Apoio Mulher. A previsão é que o montante a ser investido em 2012 beneficie 2 mil assentadas.
O lançamento da campanha será às 10 horas na sede da Superintendência do Incra em Goiás, no Setor Santa Genoveva, em Goiânia. Nesta ocasião, o superintendente Jorge Tadeu Jatobá receberá uma comitiva de mulheres ligadas à Via Campesina e à Fetraf/GO.
O Incra criou um endereço de e-mail exclusivo para tirar dúvidas e obter mais informações.
Jorge Tadeu Jatobá frisa que as mulheres tem potencial para desenvolver atividades econômicas capazes de transformar a realidade familiar e da comunidade onde vivem. “Por isso a necessidade de ampliar a divulgação desta linha de crédito específica para o sexo feminino”, destaca o superintendente.
No final do ano passado, um grupo de nove mulheres do Projeto de Assentamento São José do Ferreirinho, em Goiás, apresentou projeto no valor de R$ 27 mil para criação de peixes. O recurso foi empenhado e está aguardando orçamento para liberação. Assim como o grupo de Goiás, em 2010, o Incra aprovou a concessão do Apoio Mulher para 399 trabalhadoras rurais de 15 assentamentos diferentes, totalizando investimento de R$ 1,1 milhão. O recurso será aplicado no desenvolvimento de 20 atividades como criação de aves, porcos e peixes; cultivo de hortaliças, além de aquisição de gado de leite.
O que é o Apoio MulherDe acordo com o chefe da Divisão de Desenvolvimento do Incra/GO, Gilson de Oliveira Filho, o recurso do Apoio Mulher serve tanto para implantar uma produção como para melhorá-la. Ele explicou que para receber o crédito a mulher tem que ser a titular do lote da reforma agrária e estar organizada em grupos de, no mínimo, três assentadas. Outra exigência desta modalidade de crédito é que as pretendentes estejam morando em assentamentos criados a partir de janeiro de 2000.
As interessadas em receber o crédito devem apresentar ao Incra/GO o projeto básico descritivo da atividade que pretendem implantar. O valor do Apoio Mulher é de R$ 3 mil para cada assentada que constitua o grupo que está solicitando o recurso. Isso significa que uma organização constituída por três trabalhadoras terá direito a R$ 9 mil. O montante é pago em uma única parcela.
Esta modalidade de crédito é destinada para o desenvolvimento de atividades econômicas e pode ser aplicado em projetos de hortifrutigranjeiros; cultivo de plantas medicinais; produção de fitoterápicos, de artesanato; confecção de roupas; beneficiamento de alimentos; aquisição de máquinas e equipamentos e de animais de grande, médio e pequeno porte, exceto bovino de corte.
Para o analista em reforma agrária do Incra/GO, Zenaldo Almeida, o crédito Apoio Mulher é uma inovação e visa incentivar a participação da mulher no processo produtivo da parcela. Ele ressalta que é fundamental contar com apoio da assistência técnica no sentido de mostrar às trabalhadores opções para diversificar a produção.
Fonte : http://incragoias.wordpress.com/ (7-3-12)
Acesso 28-3-12