Ocorreu um erro neste gadget

26/07/2012

Estamos na rede na Agência Sebrae de Notícias (ASN Goiás) e na Agência Sebrae de Notícias Nacional.

 Parabéns a AMURV pelos esforços; estou feliz de ver nosso trabalho na mídia. Sou a Agente de Desenvolvimento Rural responsável pelo grupo me coloco a disposição para replicação de nosso trabalho.
Atenciosamente
Lívia Pelá Corrêa

Apoio melhora produção e renda no campo

Mulheres que vivem em assentamento do Incra em Goiás investem na produção coletiva para manter famílias na terra e ganham apoio de instituto

Unidas pela Associação das Mulheres do Rio Vermelho (Amurv), 22 mulheres trilham o caminho do progresso ao Norte de Goiás, no município de Niquelândia (a 300 km de Goiânia). Vivendo no Assentamento Rio Vermelho, em projeto do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), elas fundaram a Amurv há três anos, quando decidiram fazer da terra lugar de futuro para desenvolver a vida. Apostaram na produção coletiva para garantir sustento, mantendo famílias inteiras no campo.
Por meio de assessoria técnica do Convênio Incra e Sebrae Goiás, as produtoras investiram habilidades e esforços na fabricação de doces e quitandas, cultivo de grãos, mandioca, pimenta malagueta, feitio de farinha e polvilho e criação de frango caipira. A produção em parcelas rurais do Incra serve a Alimentação Escolar da Rede Municipal de Ensino de Niquelândia e feiras livres do município. Trabalho que ganha reconhecimento junto à comunidade local e fora às fronteiras goianas.
A valorização pode ser vista em ação social da marca brasileira Consul, quando a Amurv recebeu eletrodomésticos para montar cozinha própria para a fabricação de doces e quitandas. A doação veio por conta do Instituto Consulado da Mulher, por meio do Programa Usinas do Trabalho, com dois freezers, duas geladeiras, dois aparelhos micro-ondas e dois fogões. O que mudou para melhor o sistema produtivo na associação, segundo Diana Maria Rodrigues Gebrim, 39, sua presidente: “Estamos padronizando a fabricação”.
Colheita da lavoura coletiva de milho
Diana destaca que os equipamentos (estimados em R$ 12 mil) promoveram ainda melhores condições de armazenamento na Amurv. Os próprios consumidores passaram a ver o trabalho das associadas como realmente profissional, e não apenas passatempo de donas casas no campo. O resultado é a crescente venda dos alimentos produzidos na associação, que já possuem logomarca desenvolvida e todos os testes padrões de qualidade. “O convênio Incra/Sebrae Goiás nos ajuda muito nisso”, observa a presidente.
O Consulado da Mulher também auxilia a Amurv, desde o ano passado, com sua Metodologia de Assessoria a Empreendimentos Populares, que orienta para a gestão e desenvolvimento do projeto. O que significa promover capacitações e qualificações na área de gestão, produção, comercialização, sustentabilidade e segurança do trabalho para o fortalecimento do grupo.
Para Leda Böger, diretora executiva do Consulado da Mulher, “ao assessorar a Amurv, o instituto estimula o desenvolvimento sustentável, evitando o êxodo rural das jovens da comunidade, que, sem oportunidades de geração de renda, buscam alternativas na área urbana, onde poderiam acabar em subempregos e sem carteira assinada”.

Galpão
A doação do Consulado da Mulher para a Amurv é mais uma das conquistas das trabalhadoras do Assentamento Rio Vermelho, que ainda recebem o apoio de empreendedores de Niquelândia na construção do galpão onde vai funcionar a sede da associação. Segundo Diana, o prédio será erguido em terreno de cerca de quatro mil metros quadrados: “Ao todo, ganhamos aproximadamente R$ 10 mil em doações de empresas do município”, lembra.
A obra do galpão deve impulsionar ainda o cultivo de lavouras, gerando renda extra para as associadas. Como exemplo disso, a presidente da Amurv explica que as famílias beneficiadas ficam quase dois anos sem comprar o produto no mercado. Osvaldira Costa, 53, garantiu 16 sacas de arroz da safra 2011. “Fazemos festas, bingos e leilões para custear as lavouras”, explica Osvaldira. A plantação de arroz, por exemplo, que alocou R$ 7 mil, teve R$ 5 mil de investimento de dinheiro vindo de festa da associação.
Diana observa que a Amurv projeta aproveitar todas as oportunidades que o campo dá para a promoção do aumento da renda familiar. Inclusive as frutas da floresta de Cerrado - nativas nas parcelas, devem ser transformadas em polpas para sucos. “Devemos estimular todo o trabalho na terra, diversificar a produção, assim podemos tentar manter nossos filhos no campo”, estima a presidente.
Serviço:
Associação das Mulheres do Rio Vermelho (Amurv)
Agência Sebrae Niquelândia: (62) 3354-1924
Agência Sebrae de Notícias (ASN Goiás): (62) 3250-2268
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800
Oficina de Comunicação: (62) 3225-4899

 ASN Goiás.
ASN Nacional.
http://www.agenciasebrae.com.br/noticia/16022172/ultimas-noticias/apoio-melhora-producao-e-renda-de-mulheres-em-niquelandia/